Hotel Parnaíba
Destaques

Apoiado pelo prefeito Fábio Gentil, Catulé foi reeleito presidente da Câmara de Caxias e pleito voltou a expor divergências entre Gentil e os Marinho




Na seu discurso Catulé disse que não usará o mandato para chantagear o prefeito, pois este não é o papel da Câmara.

O vereador Catulé foi reeleito ontem (5) presidente da Câmara Municipal de Caxias com o voto dos 19 vereadores do parlamento.

A eleição da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Caxias para o biênio 2019/2020, foi um assunto amplamente explorado por uma gama de desastrados assessores de vereadores de primeiro mandato, que usavam perfis fakes na rede social facebook para, inutilmente, tentar tumultuar o processo de escolha do novo presidente.

Até mesmo o ex-deputado Paulo Marinho, que também escolheu a rede social para mandar recados aos desafetos, passou os últimos dias tentando influenciar a eleição interna da Câmara trabalhando contra a eleição do vereador que era apoiado pelo prefeito Fábio Gentil, situação que voltou a expor as divergências entre os Gentil e Marinho, como aconteceu no pleito eleitoral deste ano. Denunciando uma suposta falsificação da ata de uma sessão; pagamento de mensalinhos e até ameaça de prisão dos vereadores, Paulo Marinho lembrava os seus velhos tempos, quando esse tipo de lorota ainda encontrava eco em alguns incautos.

A tentativa de convencer a deputada estadual eleita, Cleide Coutinho, para que ela influenciasse os vereadores oposicionistas a não votarem em Catulé na eleição da Câmara, mostrou que o ex-deputado não encontra limites nos seus devaneios políticos. PM escalou o próprio filho, Paulo Marinho Júnior, para a inimaginável e infrutífera missão, pois, segundo relato do jornalista Ricardo Marques em seu Blog, PMJ teria ouvido um sonoro não de Cleide Coutinho.

Como não poderia deixar de ser, após a votação que o consagrou como presidente para o próximo biênio (2019/2020), e mesmo sem citar nominalmente o ex-deputado, Catulé foi ferino no seu discurso e fez críticas duras ao alienígena que tentou interferir no processo interno do parlamento. “Em nenhum momento posso ou devo me queixar dos companheiros, porque se houve algazarras, porque se houve tumulto, não partiu desta Casa e muito menos de companheiros”, iniciou ele, para em seguida elevar o tom da sua fala: “Mas partiu de pessoas nefastas, que pensa que esta Casa pode servir de instrumento para seus interesses”.

Quanto a clara tentativa de divisão no legislativo, Catulé disse que já acionou a justiça diante dos ataques sofridos. “Tentaram nos dividir. Tentaram também macular o nome desta Casa. Mas quem tentou macular esta Casa, já começou novamente [e terá que] responder na justiça, aonde é vezeiro e useiro daquela instituição”, anunciou o presidente que revelou já ter protocolado uma interpelação judicial contra quem fez acusações sobre a existência de falsificação de documentos e pagamento de propinas na Câmara Municipal. “Não poderia eu, de forma nenhuma, depois que um irresponsável e inconsequente conhecido de todos nós, agrediu não só o presidente desta Casa, mas agrediu todos os senhores e senhoras vereadores, quando ele disse que aqui iria se processar uma eleição com viés de fraude e que os senhores seriam comprados com mensalinhos e com mensalões”, indignou-se Catulé.

Câmara não será usada para chantagear o prefeito

Demonstrando revolta diante das agressões sofridas, o presidente da Câmara lembrou que o autor dos ataques aos vereadores responde a centenas de processos. “E veja só como é bom essa democracia, pois quem tentou macular e jogar lama nesta Casa foi um elemento que responde a mais de 300 processos na justiça”. “Um elemento que ainda anda de tornozeleira eletrônica, um elemento que as suas vestes ainda fedem o xadrez da Penitenciária de Pedrinhas”. “Se não cito o nome é porque ele não citou meu nome, mas a indireta foi pra esta Casa e eu não estaria preparado se não respondesse a altura”, justificou Catulé demonstrando bastante irritação diante das movimentações daquele que trabalhou diuturnamente contra a sua reeleição na presidência da Câmara. “Esse elemento pensou que usaria esta Casa para fazer pressão ao prefeito Fábio Gentil, que é o costume dele. Mas ele se enganou, porque quem está na direção desta Casa é o vereador Catulé, e acho até que ele é um débil mental, porque um homem que acabou de sair do xadrez, que responde mais de 300 processos, tem a audácia de tentar jogar lama na Casa do Povo…”. “Se ele pensa que nós vamos parar por aí, está enganado. Um malandro dessa estirpe parece que esqueceu como é minha forma de responder a bandidos e a malfeitores, e os resultados todas vossas excelências conhecem”.

Em outro recado duro, e que deixou o público presente na Casa do Povo ciente de quem era o destinatário do seu discurso, Catulé abordou a eleição da Mesa Diretora de 2002, quando a então prefeita Márcia Marinho não conseguiu sucesso ao apontar seu candidato naquela eleição na Câmara. “A última eleição que esse cidadão apoiou aqui nesta Casa, a mulher, [que] era prefeita, e ele era deputado e perdeu. Foi o único prefeito que perdeu uma Câmara Municipal. Agora, por ter perdido outra eleição, não pode jogar lama neste presidente e nesta Casa. Nem ele e nem ninguém vai fazer pressão para usar a Prefeitura de Caxias”.

É caso para um psiquiatra

“Foram 28 anos sem trocarmos sequer um telefonema. Para ganhar uma eleição nós tivemos que nos unir, mas eu disse pra ele na primeira oportunidade, que em 28 anos eu me superei, mas ele não tinha se superado em nada e eu continuo dizendo que é loucura, que o caso dele é de psiquiatra, porque um homem conhecido da Justiça Federal, Justiça Estadual, Ministério Público (…), se dá ao direito de querer atacar quem quer que seja”.

Ingratidão com os vereadores

“Foi pra uma eleição e não vi até hoje o homem agradecer os votos dos 10 companheiros (vereadores) que lhe ajudou. Talvez se tivesse sido eleito ele diria na capital que os votos foram dele e não precisou de vereador, [mas] como foi derrotado, hoje joga nas costas de vossas excelências”.

Composição da Mesa Diretora eleita nesta segunda-feira, 05

Além de Catulé, foram eleitos para compor a nova Mesa Diretora da Câmara:

Ximenes (PR) – 1° vice-presidente

Neto do Sindicato (PC do B) – 2° vice-presidente

Mário Assunção (PPS) – 1° secretário

Sargento Moisés (PSD) – 2° secretário

Magno Magalhães (PSD) – 3° secretário

Repórter Puliça (PRB) – 4° secretário

Do blog do Sabá

Você pode ler também!

Deixe um comentário



Barro Forte