Logo Elias Lacerda
                           Clínica São Rafael

Escolas particulares de Timon recebem a fiscalização da vigilância Sanitária para ver se cumprem os protocolos

A Vigilância Sanitária (VS) do município realizou nesta segunda-feira (15), a reinspeção nas escolas particulares para o cumprimento das medidas sanitárias na retomada das aulas.

“Mais de 95% das escolas já cumpriram 100% dos protocolos sanitários”, afirma Darlla Juliana, diretora da VS. Ela ainda acrescenta que “houve uma fiscalização prévia antes desse retorno e sem nenhum registro de caso de Covid-19 nas escolas”. A Vigilância estará realizando o acompanhamento dos protocolos para orientar os gestores e funcionários  para manutenção das medidas.


Entre os protocolos determinados ;está o uso obrigatório de máscaras por toda a comunidade de escolar, uso de EPIs pelos funcionários, distanciamento de 1,5m entre as carteiras dos alunos, identificação da capacidade máxima de pessoas dentro dos banheiros, demarcação no chão, dispensers de álcool em gel 70% disponíveis para o uso.

Por determinação, não há manipulação de alimentos nas cantinas e cada aluno traz sua garrafa de água individual, entre outros protocolos que reduzem consideravelmente a propagação e contaminação da Covid-19 e de outras doenças.

 

Da assessoria

3 cometários

Maria
Comentou em 17/03/21

Eu gostaria de entender qual a lógica do funcionamento das escolas. Porque as particulares funcionam de forma híbrida e as públicas de forma remota? Quais os cuidados que as particulares estão tendo que as públicas não podem fazer?

rafael
Comentou em 17/03/21

bem simples de responder a sua pergunta;primeiro nas escolas públicas os professores que são concursados não querem retomar para as salas de aula;segundo o poder publico não querem arcar com os gastos e investimentos q vão ter q fazer para poder se adequar as normas..,então fica mais fácil enviar para as públicas,fazer o envio de atividades pelo whatzap do q arcar com todos os gastos.no final só quem perde são os alunos.agora se a galera concursada tivesse seus salários cortados ou reduzidos ai vc ia ver um milagre acontecer…todo mundo ia fazer manifestação para querer voltar!

CÉSAR WILLIAM
Comentou em 17/03/21

CÔNCAVO & CONVEXO

Ser professor neste país é, de fato, uma profissão de risco, risco em todos os sentidos: se ele é contratado ou seletivado pela rede pública, termina sendo mais penalizado que os concursados e efetivos, às vezes até com data de recebimento de seus salários diferenciada em muitos municípios deste país. Não bastasse isso, geralmente os valores dos seus vencimentos também são destoantes.
Se é concursado, efetivo, engajado, consciente dos seus direitos e luta por estes, é tachado de bonachão, negligente, corpo mole…
Não se observa outra categoria sendo fuzilada por atuar na rede pública ou na esfera particular, mas se for um educador, haja questionamento.
Se é sindicalista e atua em defesa da classe, dizem alguns desavisados: “não quer trabalhar”. Se for trabalhar com assiduidade, inclusive em dia de greve é pelego, vendido, mau caráter. Se aderir à greve, é vagabundo, arruaceiro ou fantoche de algum político.
Enfim, a categoria que põe escada para todos subirem tem seus degraus julgados, mal julgados e seus passos conferidos, muito mal conferidos.
Quanto ao seu ambiente de trabalho, sendo público ou privado, isso hoje é muito relativo. Há algumas escolas públicas bem melhores que muitas particulares, porém, no geral, escolas particulares de ponta são mais equipadas e com clientela mais sofi$ticada.
Neste horrendo momento pandêmico em que um espirro põe mais medo nas pessoas que uma metralha, não resta menor dúvida que uma escola que não atenda às exigências mínimas de equipamentos de saúde é um terror não somente para os educadores, mas para os discentes, pais, funcionários e para a sociedade de modo geral. Seja ela pública ou particular.
E para quem pensa que os professores (sendo concursados ou não) que estão operando com atividades remotas estão em zona de conforto, enganam-se. A todo momento é uma reunião virtual com coordenação pedagógica, com a Secretaria de Educação, pais, Ure, Undime, Busca Ativa, discentes… Lançam vídeoaula, atividades, avaliações. Recebem mensagens indevidas, fora de hora, têm que dar conta do aluno que participa pouco, muito ou nada, Fazer plano A, B, C, D,,,
E mais: às vezes, muitos desses descompensados guerreiros têm que atuar na rede pública, privada, mista, em lugares longínquos para garantirem ao menos crédito em seus celulares e ainda são engabelados por algumas operadoras que consomem boa parte dos seus salários. Ufa!!! ,

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado.

*
*

Você pode ler também!

Não desperdice seu tempo e garanta sua hospedagem Dgi Cloud hoje!
Clínica São Rafael