Logo Elias Lacerda
                           Clínica São Rafael

Partido da Causa Operária (PCO) comemora vitória do Talibã e causa polêmica

Partido defende que fortalecimento do grupo extremista simboliza derrota histórica do imperialismo norte-americano

Reprodução
O Partido da Causa Operária (PCO) tem provocado polêmica nas redes sociais ao comentar a crise vivenciada no Afeganistão, resultado da ascensão ao poder do Talibã. A sigla defende que o fortalecimento do grupo extremista simboliza derrota histórica do imperialismo.

Em crítica aos Estados Unidos, o PCO publicou: “Ao bater em retirada, o imperialismo norte-americano revela a crise em que se encontra”. Na avaliação do partido, trata-se de “uma enorme vitória sobre os piores inimigos dos oprimidos de todo o planeta”.

Veja:

A fala repercutiu nas redes sociais e provocou reação de partidos de oposição e da base aliada do governo federal. Alguns internautas usaram a publicação para classificar a legenda como sigla “bolsonarista de esquerda”.

Diante dos ataques, membros do Diretório Nacional do PCO promoveram lives para justificarem o argumento defendido pelo partido. Os filiados argumentam que os EUA representam ao Afeganistão “um opressor mais tirano que os talibãs”.

O partido ressalta, porém, que não compactua com as ações do grupo extremista. No entanto, destacam que a derrota dos EUA é uma vitória “contra o maior inimigo da humanidade”.

Entenda

A crise humanitária no Afeganistão é resultado do fortalecimento dos grupos extremistas com a saída de tropas norte-americanas que ocupavam locais estratégicos do país desde os ataques de 11 de setembro, em 2001.

O avanço dos extremistas aos pontos antes ocupados pelas tropas estadunidenses tem provocado temor popular e reacendido a crise humanitária no país.

Há 20 anos, antes de o exército dos Estados Unidos chegar a Cabul em ofensiva aos ataques às Torres Gêmeas, não faltavam relatos de restrições. O consumo de álcool, por exemplo, era totalmente proibido. Além disso, as punições físicas (em sua maioria mutilações), para pessoas acusadas de roubo e adultério, eram muito comuns.

Na época, o grupo também impunha aos homens o uso de barba e às mulheres, a burca — vestimenta que cobre todo o corpo, inclusive os cabelos, e apresenta uma estreita tela, à altura dos olhos, através da qual se pode ver. Já há relatos de que os militantes voltaram a cobrar essas regras desde domingo (15/8).

O grupo insurgente determinou como obrigatória a presença masculina (já que mulheres são proibidas) nas mesquitas às sextas-feiras, dia sagrado para o islamismo.

Do Metrópoles

3 cometários

Sebastião Rodrigues de Araújo
Comentou em 16/08/21

É exatamente isso que a esquerda deseja, para nosso Brasil, temos que varrer esse câncer do nosso meio, Brasil acima de tudo e Deus acima de todos,

CIDADÃO TIMONENSE
Comentou em 17/08/21

E UM ABSURDO O PCO…PREGAR APOIO AO TALIBAN….UM GRUPO MALIGNO A DIGGNIDADE HUMANA….A ESQUERDA DO BRASIL NOS ENVERGONHA.

Carlos
Comentou em 18/08/21

O q esperar desses CANALHAS HIPÓCRITAS ESQUERDOPATAS, somente isso …nada mais.

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado.

*
*

Você pode ler também!

Não desperdice seu tempo e garanta sua hospedagem Dgi Cloud hoje!
Clínica São Rafael