Destaques

TSE deixa Bolsonaro inelegível até 2030

Por 5 votos a 2, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu, nesta sexta-feira (30/6), que o ex-presidente Jair Bolsonaro ficará inelegível por oito anos. A decisão ocorre em uma Ação de Investigação Eleitoral (AIJE) aberta para apurar uma reunião realizada por Bolsonaro em julho do ano passado com a presença de embaixadores, em Brasília. O último voto foi do ministro Alexandre de Moraes, presidente do TSE.

No encontro questionado pela corte,  Bolsonaro levantou dúvidas, sem apresentar provas, sobre a integridade das urnas eletrônicas e questionou o resultado das eleições. O plenário da corte é formado por sete magistrados. O relator, Raul Araújo, os ministros Floriano Marques, Cármen Lúcia e Alexandre de Moraes votaram pela inelegibilidade.

A sessão desta sexta contou com os votos da ministra Cármen, Kássio Nunes e de Moraes. “Nenhum candidato poderia alegar desconhecimento das principais premissas desta corte para a realização das eleições de 2022. Não há como alegar desconhecimento do que seria abuso de poder político e abuso do uso dos meios de comunicação, pois a corte já tinha definido isso”, disse Moraes.

Com a decisão, Bolsonaro fica fora das eleições de 2026 e 2030, sendo impedido de disputar qualquer cargo eletivo. O TSE entendeu que o ex-presidente cometeu abuso de poder político por usar o cargo para obter vantagem eleitoral. A reunião, realizada meses antes das eleições de 2022, foi transmitida pela TV Brasil.

Cabem embargo de declaração ao TSE ou pedido de liminar ao Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender os efeitos do julgamento. Mas nenhum dos recursos têm poder de alterar o resultado na corte eleitoral e as chances de que qualquer contestação seja aceita são baixas.

Do Correio Brasiliense

2 Comentários

  1. Caro jornalista Elias parte desses ministros ai foi cúmplices das decisões que levaram Lula para prisão e eles mesmo invalidaram tudo inclusive essa carmen lucia que para mim nao tem mais créditono judiciario. Eu não duvido que eles mesmo possam anular tudo e trazer o ex presidente de volta para disputar eleições novamente alegando “Ú NADA”. Infelizmente notamos que a constituição e aplicada não pelo que se rege, mas pelo momento oportuno e sentimento pessoal.

Faça um Comentário

Elias Lacerda

Elias Lacerda

Elias Lacerda
Jornalista apaixonado pela notícia e a verdade