Logo Elias Lacerda
                           Clínica São Rafael

Vice-governador acusado de agredir a esposa paga fiança para não ser preso

Empresário milionário, Otaviano Pivetta paga fiança para não ser preso e tenta abafar o caso, que acaba explodindo nas redes sociais

Otaviano Pivetta e Viviane Cristina KawamotoReprodução
Do céu para o inferno.

Em 2014, a revista Forbes publicou a lista dos cinco políticos mais ricos do país – e o gaúcho Otaviano Pivetta, então prefeito de Lucas do Rio Verde, no Mato Grosso, era o quarto, à frente de Paulo Maluf, ex-governador de São Paulo. Seu patrimônio líquido: 100 milhões de dólares. Origem de sua fortuna: o agronegócio.

No último dia 7, Pivetta, 62 anos de idade, vice-governador do Mato Grosso, atualmente sem partido, pai de seis filhos e avô de quatro netos, foi denunciado pela mulher, a advogada Viviane Cristina Kawamoto, com quem é casado desde 2019, de tê-la espancado na casa que tem em Itapema, litoral de Santa Catarina.

Divulgado ontem, um laudo de corpo de delito feito pelo Corpo de Bombeiros de Itapema comprovou a agressão sofrida por Viviane. Pivetta foi indiciado por crime de lesão corporal leve e responderá à ação no Fórum Criminal do município catarinense. A Justiça já abriu prazo para que o Ministério Público se manifeste.

O laudo apontou escoriações e hematomas na testa, nos braços e nas coxas de Viviane, que, depois da surra, acionou a polícia duas vezes. Na primeira, tão logo foi atendida, desligou o telefone sem nada falar. Na segunda, informou que fora agredida pelo marido. Policiais foram buscar o casal e o levaram para uma delegacia.

Pivetta negou que tivesse batido na mulher. Afirmou que ela se feriu ao morder uma de suas mãos. A todo o momento dizia aos policiais que era vice-governador do Mato Grosso e que não poderia ser preso. Uma vez detido, pagou uma fiança de R$ 6,6 mil e foi embora da delegacia na madrugada do dia seguinte.

A partir daí, usou o peso político do seu cargo e valeu-se de sua fortuna para impedir que o caso repercutisse no Mato Grosso. Contou para isso com a ajuda do governador Mauro Mendes (DEM), candidato à reeleição no próximo ano, que pretende mantê-lo como vice em sua chapa; e também de outros políticos.

Do blog do Noblat

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado.

*
*

Você pode ler também!

Não desperdice seu tempo e garanta sua hospedagem Dgi Cloud hoje!
Clínica São Rafael