Logo Elias Lacerda
                           Clínica São Rafael

Flávio Bolsonaro empregou mãe e irmã de suspeito na morte da vereadora Marielle, diz jornal

Fernando Frazão/Agência Brasil – 6.jan.2019

O gabinete do ex-deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) empregou em seu gabinete a mãe e a mulher de 1 suspeito de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ), diz o jornal O Globo em reportagem nesta 3ª (22.jan.2018). Ex-capitão do Bope (Batalhão de Operações Especiais), Adriano Magalhães da Nóbrega foi alvo de 1 mandado de prisão e ainda não foi encontrado pela polícia.

Adriano seria ainda amigo de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio investigado pelo Ministério Público do Rio após ter movimentações financeiras suspeitas em sua conta apontadas pelo Coaf. Queiroz teria sido o responsável pela indicação das familiares de Adriano.

Raimunda Veras Magalhães –mãe de Adriano– e Danielle Mendonça de Costa da Nóbrega –mulher do ex-capitão– exerceram cargos com salários de R$ 6.490,35 e foram demitidas em 13 de novembro de 2018, a pedido, segundo o jornal.

Raimunda foi uma das servidoras do gabinete a ter feito depósitos na conta de Fabrício Queiroz, segundo O Globo. Teria repassado R$ 4,6 mil ao ex-assessor de Flávio.

FLÁVIO HOMENAGEOU ADRIANO DUAS VEZES

Flávio Bolsonaro teria duas vezes prestado homenagem a Adriano, de acordo com a reportagem.

Em outubro de 2003, o filho do presidente Jair Bolsonaro teria apresentado uma moção de louvor a Adriano, na época 1º tenente da Patamo (guarnição de Patrulhamento Tático Móvel) do 16º Batalhão da Polícia Militar. Na homenagem, dizia que o ex-PM atuava com “brilhantismo e galhardia” e prestava “serviços à sociedade desempenhando com absoluta presteza e excepcional comportamento nas suas atividades”.

Em julho de 2005, o policial teria recebido de Flávio a Medalha Tiradentes. Flávio discorreu sobre o currículo de Adriano, citando sua participação em uma operação no Morro da Coroa, em 2001, e cursos feitos na Polícia Militar.

O OUTRO LADO

Flávio Bolsonaro respondeu à reportagem com uma nota oficial em seu perfil no Twitter, onde disse estar sendo alvo de “campanha difamatória”. Confirmou que Fabrício Queiroz indicou a mãe de Adriano para trabalhar em seu gabinete.

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado.

*
*

Você pode ler também!

Não desperdice seu tempo e garanta sua hospedagem Dgi Cloud hoje!
Clínica São Rafael