Logo Elias Lacerda
                           Clínica São Rafael

Operação policial mata Ecko, o miliciano chefe da maior milícia do Rio e homem mais procurado do país

Ecko morreu após ser ferido em operação da polícia Foto: reprodução.
Ecko morreu após ser ferido em operação da polícia Foto: reprodução.

A Polícia Civil informou que o miliciano Wellington da Silva Braga, o Ecko, morto neste sábado, dia 12, foi baleado duas vezes na Operação Dia dos Namorados. Ele era o chefe da maior milícia do Rio e um dos bandidos mais procurados do país. O primeiro tiro ocorreu na casa da família dele, na comunidade Três Pontes, em Paciência, onde estavam sua mulher e três filhos, enquanto tentava fugir. Já o segundo, de acordo com Tiago Neves, da Subsecretaria de Inteligência, foi dentro da van que o levava até o helicóptero, onde Ecko tentou retirar a arma de uma policial. Policiais que estavam na van relataram que o criminoso chegou a apertar várias vezes a arma da agente, mas o equipamento estava travado. Então um colega dela, lotado na Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DRCPim), efetuou o disparo.

Ainda segundo os investigadores, no momento na abordagem ao miliciano dentro de casa, ele mostrou-se alterado, levantando hipótese de ter usado drogas. Os agentes descreveram gritos de que ele era “o Ecko” é que era o “Welington”. Um dos policiais contou que mesmo ferido, o criminoso dizia que estava bem.

Investigadores tinham descoberto que Ecko visitaria a mulher no Dia dos Namorados, conforme revelou o subsecretário de Polícia Civil, Rodrigo Oliveira, na coletiva para detalhar a ação, na Cidade da Polícia. Segundo o subsecretário, foi feita uma prontidão de três dias.

Após o primeiro tiro, Ecko foi levado de Paciência para a Lagoa, de helicóptero, de forma a cumprir o procedimento para casos como esse. Durante o trajeto, houve o segundo tiro. De lá, foi de ambulância até o Hospital Miguel Couto, onde chegou morto.

O delegado Felipe Curi, diretor do Departamento de Polícia Especializada, detalhou como se deu a ação para localizar Ecko.

— Estávamos hoje (sábado, dia 12) desde o início da madrugada perto do local com quatro equipes concentradas em algum locais. Estávamos aguardando informações com nossa inteligência se o alvo ia ou não se encontrar com sua esposa por ocasião da data (dia dos namorados). Tivemos uma confirmação de que ele tinha chegado ao local por volta das 5h. Não tínhamos 100% de certeza, e sim 95%, mas só entraríamos com 100%. Fizemos uma digilência e confirmamos. Tivemos um efetivo muito reduzido, com 20 policiais. Equipes entrando na parte de trás da casa, outros entrando pela frente. Quando o helicóptero sobrevoou, ele tentou fugir justamente por trás. Houve algum confronto, e ele voltou pela frente. As equipes que entraram pela frente literalmente deram de cara com ele e o neutralizamos.

Presente na coletiva de imprensa, Claudio Castro tirou uma foto junto com os agentes que participaram da operação e elogiou o trabalho.

Governador do Rio, Claudio Castro, com policiais civis que participaram da operação que resultou na morte de Ecko
Governador do Rio, Claudio Castro, com policiais civis que participaram da operação que resultou na morte de Ecko Foto: Rafael Nascimento de Souza / Agência O Globo

— Hoje é um dia histórico, porque havia principalmente alguém que sintetizava, que simbolizava a impunidade. Essa figura era o Ecko — afirmou, ressaltando, contudo, que não comemora a morte propriamente dita. — Não celebramos a morte de ninguém. Mas celebramos que tiramos de circulação alguém que fazia tão mal à sociedade. Pegamos ele vivo ainda, queríamos ele preso. Por circunstâncias, isso não aconteceu.

A mudanças de Ecko ao longo do tempo em que estava sendo procurado

RIO — Caso alguém tentasse identificar Wellington da Silva Braga, o Ecko, chefe da maior milícia do Rio pelo cartaz no portal “Procurados”, teria dificuldades. Comparando a fotografia presente no site com a de Ecko, no momento de sua prisão, na comunidade das Três Pontes, em Paciência, na Zona Oeste do Rio, fica claro como o criminoso procurou mudar a aparência para se esconder de autoridades.

Ecko deixou o cabelo crescer, ganhou peso e passou a adotar bigode, um visual bem diferente do da foto contida no site, dificultando possíveis denúncias sobre o seu paradeiro.

O Disque Denúncia oferecia R$ 10 mil reais para quem desse informações sobre sua aparência. Essa era a recompensa com maior valor existente.

O criminoso, um dos mais procurados do país, foi baleado em operação da Polícia Civil na manhã deste sábado. Ele chegou a ser encaminhado a um hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

A operação foi denominada Dia dos Namorados, por causa da data comemorativa deste sábado. Ao longo de seis meses de investigação, a Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DRCPim) concluiu, com base em informações da inteligência, que este seria o dia ideal para capturá-lo.

Apesar de ser réu em nove processos criminais, Ecko circulava pela cidade escoltado por seguranças, frequentava casas em bairros nobres e dialogava com policiais, traficantes e pistoleiros.

Ele chefia o maior consórcio criminoso do Rio: sua milícia, antes restrita à Zona Oeste, agora está presente em 20 bairros da capital e outros seis municípios da Baixada Fluminense e da Costa Verde.

 

Do jornal Extra, do Rio de Janeiro

 

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado.

*
*

Você pode ler também!

Não desperdice seu tempo e garanta sua hospedagem Dgi Cloud hoje!
Clínica São Rafael