Hotel Parnaíba
Destaques

Autor da coluna Túnel do Tempo lembra suicídio que presenciou aos sete anos de idade



Governo do Estado do Maranhão

 

 

 

 

1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TÚNEL DO TEMPO:- UMA LEMBRANÇA QUE MARCA

POR GIL ALVES DOS SANTOS

 

-Na companhia de um também aposentado do Banco do Brasil, já agora em outubro de 2017, chegamos em uma agência da Caixa Econômica, em Teresina, quando percebi que os servidores daquela instituição exibiam um laço de fita na altura do peito esquerdo. De modo instintivo perguntei a simbologia daquele laço quando me foi dada a seguinte resposta:- “É que estamos na semana de prevenção contra o suicídio.” E aí minha lembrança retrocedeu 70 anos no tempo. Vou explicar!

2 – Na frágil idade dos sete anos , portanto, em 1949, eu morava no povoado Buriti Cortado, que todos aqui de Timon conhecem. A casa era ampla, bem grande, com paredes de adobes, mas firmes. Verdadeiramente um casarão. Da quitanda ao paiol de arroz, nela tudo cabia. E por falar em quitanda, foi nela que o irmão ELISABETO tempos depois, tomou uma caneca de querosene. Foi salvo seguindo a orientação do Senhor Bispo de Caxias da época, auxiliado por nove padres que realizavam as Santas Missões, em povoados previamente escolhidos mas que hoje só existem na lembrança de poucos. As mães da vizinhança que naquela época amamentavam os seus filhos também muito contribuíram, pois, o leite materno, verdadeiramente, é medicamentoso – e a dona Ilná Tavares, mãe da Rosa Maria, que era um bebezinho, muito, mas muito mesmo, colaborou para que o milagre se concretizasse. E de fato aconteceu.

3 – Nada era capaz de atrapalhar a inocência, que era a marca daqueles tempos, pois, sem acesso ao rádio, televisão ou jornais. No dormir era: benção, pai, benção, mãe. O mesmo respeito e a mesma veneração na manhã seguinte. Um dia, na hora do almoço, portanto, já meio dia, entra esbaforida uma mulher que não lhe sei o nome pedindo que meu pai, O GENESÃO DE AÇÕ, já falecido, chegasse até à casa do JOÃO GERMANO – sem relação alguma com o cemitério homônimo aqui de Timon. A casa de GERMANO era branca e, para quem conhece bem o povoado, ficava exatamente no entroncamento da BR-226, em direção à propriedade de ZÉ FILÓ. Um areão enorme, pesado, separava as duas casas, ladeado pelo entrelaçamento de pequenos arbustos, chamados de relógio, que, amarrados, causavam a queda de alguns dos transeuntes.

4 – Acabada a refeição lá se fomos nós, eu e meu pai, ele segurando a minha mão, para a casa de João Germano. Em lá chegando fomos levados para os fundos do quintal, que era grande, no qual jazia um enorme e frondoso angico branco, com certeza, já bem erado. E a cena vista foi simplesmente tétrica, marcante como um ferro em brasa:- balançando numa corda, a uns cinco metros do chão, como o pêndulo de um relógio, pendia o corpo de JOÃO GERMANO. Pelo menos não nos foi dito o motivo do tresloucado gesto.

5 – Esse é o motivo pelo qual tenho pavor de tratar ou falar de suicídio. Sinto um enorme desconforto quando o assunto de uma conversa gira em torno do tema, que é tão carregado. Aquela cena tétrica me marca como se fosse hoje. Verdadeiramente, um horror!

6 – Tempos depois, nos anos 90, me passou pelas mãos um livro espírita que é mais do que terrível – O VALE DOS SUICIDAS, se não me engano, da FEB-Federação Espírita Brasileira. Como castigo fui até à ultima página do livro. Mas é assombroso. Outra obra igualmente terrível, um clássico da literatura universal, é o romance OS SOFRIMENTOS DO JOVEM WERTHER, ou simplesmente, WERTHER, da autoria de Goethe, que li já cursando a Universidade. E o suicídio do jovem, com um tiro em um dos olhos, se dá em razão da impossibilidade do romance com Carlota, por quem nutre uma paixão avassaladora, mulher do amigo Alberto.

7 – E para encerrar o assunto, que de fato é tenebroso, vai aqui outro data, igualmente marcante:- eu cheguei em Timon, para ficar, no dia…24 de agosto de 1954, que assinala o suicídio de Getúlio Vargas. São Bento, vade retro! 8 –

Gil Alves dos Santos (gilsantos.adv@uol.com.br), telefone 86-9(9972-0524), bacharel em Direito, bancário aposentado do Banco do Brasil.

Você pode ler também!

Deixe um comentário



Barro Forte