IML demite funcionários que arrastaram corpo na lama de acusado de matar fazendeiro

O vídeo ganhou repercussão nas redes sociais.

Acabou em demissão o flagrante que mostrou dois funcionários do Instituto Médico Legal (IML) arrastando pelos pés e no lamaçal o corpo de um dos suspeitos de matar o agropecuarista Tadeu Freitas de Omena, de 54 anos, na última quinta-feira, na cidade de Branquinha, no interior de Alagoas.

De acordo com a assessoria do IML, em virtude da denúncia, a Perícia Oficial notificou a empresa sobre a conduta dos funcionários e cobrou medidas administrativas em relação ao fato.

“Situações como essa não serão admitidas pela direção da Perícia Oficial de Alagoas”, esclareceu a instituição em nota enviada à imprensa.

O IML informou também que os dois envolvidos foram identificados e demitidos da empresa terceirizada que, diante dos fatos, prometeu realizar uma capacitação para requalificar as equipes que atuam na remoção de corpos e outros serviços do instituto.

Nas imagens, é possível observar que corpo do suspeito é arrastado por alguns metros e, próximo ao veículo onde seria colocado, um dos funcionários do IML ainda joga lama sobre o rosto do cadáver.

O vídeo teria sido feito por um dos trabalhadores do agropecuarista assassinado que, durante a gravação, celebrou o tratamento que foi ofertado ao morto. O vídeo ganhou repercussão nas redes sociais.

Corpo de suspeito foi arrastado na lama por funcionários do IML
Corpo de suspeito foi arrastado na lama por funcionários do IML
Gazeta Web

Deixe um comentário

Você pode ler também!

Não desperdice seu tempo e garanta sua hospedagem Dgi Cloud hoje!
TekyNik